O novo Corona Vírus e seus efeitos na economia.

Já são 20 os casos confirmados no estado de Santa Catarina de pessoas infectadas pelo novo coronavírus e outras 346 sob investigação, a Prefeitura e Governo do Estado tomam medidas restritivas no enfrentamento a doença.

Em decreto o Governo de Santa Catarina determina situação emergencial e coloca em ação algumas proibições para conter a proliferação do COVID-19 no Estado. 

Foto ilustrativa – Site Freepik

Confira algumas das medidas adotadas:

  • A circulação do transporte coletivo urbano municipal, intermunicipal e interestadual de passageiros;
  • Atividades e serviços privados não essenciais, a exemplo de academias, shopping centers, restaurantes e comércio em geral;
  • Atividades e serviços públicos não essenciais, no âmbito municipal, estadual e federal;
  • A entrada de novos hóspedes no setor hoteleiro, mediante regulamentação por portaria específica;
  • Eventos e reuniões de qualquer natureza, de caráter público ou privado, incluídas excursões, cursos presenciais, missas e cultos religiosos ficam suspensos em todo o território catarinense por 30 dias;
  • As indústrias deverão operar em sua capacidade mínima necessária nas regiões em que já tenha sido identificado o contágio comunitário.
Supermercado Norte da Ilha – Florianópolis -SC

A população foi às compras, supermercados ficaram lotados, prateleiras vazias e muita correria para conseguir alguns produtos, entre os mais procurados estavam os de higiene, depois do álcool gel, luvas e máscaras, o papel higiênico foi o campeão, alguns mercados chegando a determinar um limite de venda do produto para cada cliente.

Centro de Florianópolis na quarentena – Foto: Diorgenes Pandini, Diário Catarinense

No entanto, para alguns comerciantes o reflexo do coronavírus se resume em prejuízo, em obediência ao decreto e em respeitos às pessoas muitos ficarão de portas fechadas no período de 7 dias. Por outro lado, supermercados e farmácias tiveram um aquecimento significante   com um faturamento acima do esperado, o consumidor temendo as consequências do COVID 19 decidiu estocar alimentos em casa.

Filas enormes, Supermercado em São José – SC

A procura exorbitante por álcool gel e outros produtos de proteção ao novo coronavírus, fez com que algumas farmácias fossem notificadas por vender produtos superfaturados.

Estamos vivendo um momento atípico e a maior preocupação, é com  pessoas  que não estão cumprindo a determinação do decreto de precaução à doença infecto contagiosa, o que representa grande perigo para todas as pessoas em qualquer escala de nível cultural ou social.

#FICAEMCASA

Fotos: Sande Moraes e Site Freepik
Fonte de Dados: Governo do Estado de Santa Catarina

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *